Postado por : Thainá Cristina 13 maio 2013


Título: Amor Fora de Hora
Autora: Katarina Mazetti
Páginas: 174
Editora: Lua de Papel
Ano: 2011
Resenha por: Thainá Cristina
A minha infância infelizmente não foi regada de livros, a única autora que conseguiu quebrar esse paradigma foi J.K. Rowling com Harry Potter. Sempre fui vidrada num sobrenatural e ela soube me pescar direitinho com o livro. Apesar disso, foi só mais tarde em que realmente me tornei uma bookaholic e isso aconteceu graças a a autora Stephanie Meyer que quebrou outro paradigma na minha vida literária. Eu que passava longe de romances,  aprendi a ama-los, e só depois que me apaixonei pela saga Crepúsculo, que passei a amar e entender a escrita de Shakespeare, pois antes disso toda aquela escrita de época me dava calafrios. Ta mais oque tudo isso tem a ver com o livro "Amor Fora de Hora"?! Bem, foi nessa época que o encontrei...

Eu tinha acabado de ler Mercador de Veneza e estava louca, faminta por livros no gênero de romance. Mas nada muito grudento. Foi numa dessas andanças que estava fazendo pelo site submarino, que encontrei "Amor Fora de Época". Logo de cara fiquei LOUCA pela capa e fui procurar online uma resenha sobre ele. Foi pesquisando no google que encontrei uma resenha no blog Menina da Bahia que falava muito bem do livro e isso bastou para mim. Sem nem ao menos pensar duas vezes, ou pesquisar por outras opiniões, num impulso doido, comprei o livro. Ele foi um daqueles casos que você compra num dia por um preço e no dia seguinte acha ele por outro bem mais barato. Sabe como é que é? Pois é! Mas vou te dizer uma coisa, NÃO ME ARREPENDI!

Em Amor Fora de Hora conheceremos, Desirée. Uma jovem bibliotecária urbana, criada desde pequena por sua mãe que sempre a incentivou a focar a sua vida em sua área profissional, moradora de um luxuoso apartamento que recentemente ficou viúva. Após a morte de seu esposo Örjan, Desirée passa a visitar o túmulo frequentemente para prestar luto a sua maneira, e é no cemitério que ela conhece o cara que presta luto ao túmulo ao lado com decoração extremamente excessiva. Benny, é um fazendeiro rústico, solitário, que perdeu sua mãe e que aplica sua vida em trabalhar em sua fazenda diariamente, dono de uma forte personalidade e um ÓTIMO sarcasmo ele será o motivo de fortes risadas nesse livro!

A primeira vista Benny não enche os olhos e sua aparência de maneira bruta, desleixado, largado, com roupas coloridas e com apenas três dedos em uma mão, irrita extremamente Desirée. Já a mulher "bege", maneira como Benny descreve Desirée no livro, também não é lá essas coisas. Sempre vestida como se fosse a um evento importante, magra e sem forma, desbotada como uma fotografia antiga e que só de olhar, faz Benny achar um insulto ao mundo por não se vestir de forma atrativa.

E é logo nos primeiros capítulos, disputando o banco branco em frente ao túmulo de seus entes queridos, que veremos esses dois seres, de mundos completamente diferentes, se renderem ao encanto de um sorriso e se entregarem a uma forte atração que mudará até mesmo a maneira com que ambos tinham se definido.

Apesar de ter comprado o livro no ano passado, foi só semana retrasada que resolvi dar uma chance a ele. A narração é intercalada, ora Desirée, ora Benny, e gostei bastante disso pois assim podemos ver um pouco dos pensamentos de ambos os personagens e isso ajuda bastante a nossa percepção sobre esse relacionamento. O que pude perceber na escrita da autora, e que me cativou, foi todo o cuidado desde do início pra que esse livro fosse um livro que relatasse o cotidiano de duas pessoas REAIS, que apesar de sentirem uma forte atração uma pela outra, existe um mundo de diferenças a serem trabalhadas e vencidas por ambas as partes. Esse é um relacionamento aonde a mocinha não é uma virgem alienada e nem o mocinho um príncipe musculoso sentado num alazão branco, que faz todas suspirarem. Pelo contrário! Eu não sei você, mas já estou de saco cheio de romances aonde tudo é uma maravilha e que a mocinha é uma moça pura, virgem e etc. Foi exatamente isso que me fisgou nesse livro. Eu gostei bastante de ambos os personagens, são maduros e sem muito guerê-guerê (leia-se encheção de saco). A Desirée me chamou atenção pela maneira como ela lida com a mão defeituosa de Benny. Ela faz ele se sentir bem com isso e sinceramente não sei se eu faria a mesma coisa que ela faz no livro, rs. Já Benny me cativou desde do início com seu sarcasmo, sério, meu sobrenome é sarcasmo, ADORO personagens que utilizam dele

Eu sempre tenho o costume de circular pelos blogs após ler um livro, para comentar minha percepção do mesmo. Eu prefiro fazer isso depois de ler o livro do que antes, pois infelizmente o que ocorre na blogosfera atual é de deixar passar spoilers, mesmo que mínimos nas resenhas, e isso para pessoas perceptivas pode estragar a surpresa do livro. Foi nessa busca após ler Amor fora de hora que li diversas resenhas reclamando do desenvolvimento do livro e até do final dele. Eu gostei tanto do desenvolvimento da história como do final. Logo de início no livro é capaz de saber como o livro termina, mas o mais gostoso dele não é saber se haverá um romance, pois tanto a sinopse como a capa já dizem que sim, e nem saber já do final, mas sim o desenvolvimento desse relacionamento.

O trabalho da editora Lua de Papel está MARAVILHOSO! Amei a capa, o nome em auto relevo, os detalhes nos inícios de capítulos. Tudo está apaixonante Não encontrei erros gramaticais e se tem algum passou totalmente desapercebido.

Enfim, indico e recomendo Amor fora de hora é um romance leve, ótimo pra todos os momentos, principalmente se você está saindo de uma ressaca literária de UM MÊS INTEIRO! : )


   

- O que você faria se descobrisse de repente que, em um jantar de gala, sua braguilha está aberta e o seu passarinho está tomando ar?
- Tiro todo o resto, dizendo que sou o encarregado da associação de exibicionistas e pergunto às pessoas se gostariam de apoiar nosso negócio com uma pequena quantia. Não, na verdade, talvez eu tentasse fechar a braguilha em segredo, prendendo assim a ponta da toalha da mesa derrubando por fim todos os pratos quando saísse. E então eu iria de costas até a porta, enquanto a toalha estivesse pendurada na braguilha e sorria de uma orelha a outra e sairia de fininho e pisaria na toalha e tropeçaria nas escadas e quebraria as duas pernas!

Comentários
6 Comentários

{ 6 comentários... comente você também }

  1. Thainá sua linda, amei sua resenha, vc tem talento guria. Pelo jeito o livro é muito bom, vou anotar na minha lista. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jú minha amiga linda! Como sempre levantando meu astral <3

      Excluir
  2. Thay quase comprei esse livro umas 3x mais li as resenhas no skoob e falavam mal do livro que fiquei com o pé atrás..mais depois da sua resenha e uma única palavra na resenha toda me ganhou: SARCASMO , adoro personagens assim SÉRIO simplesmente AMO personagens assim..
    Próxima promo do sub que eu aproveitar e ele estiver darei a ele a chance.

    ResponderExcluir
  3. Nunca tinha ouvido falar desse livro gente? Eu gosto de histórias complicadas e romances disfuncionais e/ou problemáticos.
    Oia eu querendo uma promoção do Submarino agora...rsrsrs

    Thaiiiii tu lesse o Mercador de Veneza? Nunca achei esse livro em canto nenhum.

    ResponderExcluir
  4. Eu adoro sarcasmo, acho que a maioria das pessoas me acha muito sarcástica, de qualquer modo apesar de ter esse atrativo eu mesma não me empolguei muito de começar a leitura não.

    ResponderExcluir
  5. Eu sempre vejo este livro em promoção baratinho mas nunca o compro acho que mudarei de ideia. Recebeu bastante estrelas até e nunca li uma resenha dele, que eu me lembre. =)

    ResponderExcluir

^

- Copyright © 2013 Quatro Amigas e um Livro Viajante - Hospedado pelo Blogger -